Notícias Terça-feira, 8 de junho de 2021

“Uma engenheira é, antes de tudo, uma mulher que não desistiu”; conheça a história da eng. eletric. Camila Maciel

Em sua página no LinkdIn aparecem essas informações; “Engenheira eletricista com 10 anos de experiência em construção de subestações de alta a ultra alta tensão em corrente alternada e contínua pelo Brasil. A maior parte deles como residente responsável pelo gerenciamento completo da construção, desde subestações novas a ampliações. Como projetos principais destaca-se como a engenheira responsável pela montagem do Bipolo I em HVDC de 600kVcc e 3150MW do Madeira na subestação de Porto Velho e o último como a engenheira com co-responsabilidade técnica do projeto e montagem do Bipolo II em UHVDC de 800kVcc e 4000MW do projeto Belo Monte na subestação Xingu”.

Essa é Camila Maciel, formada em 2010 pela Universidade Federal da Paraíba, criadora do perfil no Instagram @elasdebotina e autora do recém-lançado livro As descobertas de Carol no mundo da engenharia, e cuja história teremos a honra de apresentar na entrevista que segue, neste dia internacional das Mulheres na Engenharia.

Crea-MS – Mulher, engenheira eletricista que atua diretamente na área, escritora, mestranda, influenciadora digital. Essas são as informações que temos sobre quem é a Camila. Mas você pode, primeiramente, nos contar quem é a Camila? E como foi sua opção pela engenharia?

Engenheira Camila – Antes de ser engenheira, eu sou uma colecionadora de pores do sol pelo Brasil, porque um dos presentes da minha profissão, carreira na qual atuo há 10 anos, é a possibilidade de conhecer vários lugares diferentes pelo país. Já morei em muitos locais e tive a oportunidade de conhecer diferentes culturas, me apaixonando cada vez mais pelo Brasil.

Escolhi a engenharia porque sempre gostei muito de tecnologia, desde criança. Sempre fui uma “nerd” desde que me entendo por gente. Sempre gostei de matemática, computador, internet. E quando vi a matéria de eletricidade na escola fiquei fascinada e quis aprender mais sobre isso; por isso decidi fazer engenharia elétrica. E eu sou a primeira engenheira da minha família, escolhi por afinidade mesmo, por sempre gostar muito dessa área.

Crea-MS – Você é a fundadora do perfil Elas de Botina no Instagram. Pode nos dizer como tem sido essa experiência?

Engenheira Camila – Como eu sempre escrevi muito e me diziam que eu sou uma boa contadora de história, pensei: “por que contar somente a minha história se posso contar histórias de várias mulheres? ”. Então surgiu o projeto Elas de Botina. Quando criei o perfil não sabia como ter contato com outras mulheres, então comecei escrevendo minha própria história e outras mulheres que trabalham em áreas majoritariamente masculinas começaram a me seguir, e assim criei contatos naturalmente. E o mais incrível para mim de contar histórias de mulheres da área de engenharia, construção, obras e indústria, é o quanto eu passei a não me sentir mais sozinha. Vendo o tanto de mulheres que trabalham em diferentes setores, em diferentes cidades, você se sente abraçada vendo que já passou pela mesma coisa que aquela mulher.

É uma sensação de acolhimento e de força, porque vemos que não estamos sozinhas. São muitas mulheres com trabalhos incríveis em diferentes áreas, profissionais que amam a carreira que decidiram seguir. Então com elas eu pude ver isso, entender o papel das mulheres nessas áreas em que ainda somos tão poucas. E principalmente, incentivar a próxima geração, porque muitas mulheres têm vontade de entrar nessa área, mas ainda se sentem receosas por serem áreas muito masculinas. Porém, verem outra mulher conseguindo construir careira naquela área é um incentivo, como se fosse uma mão abrindo aquela porta para ela poder entrar também. E esse é um dos maiores orgulhos e motivos para continuar com o Elas de Botina: incentivar aquelas que tem vontade de trabalhar com isso.

As primeiras 28 histórias já contadas no perfil, eu juntei e diagramei todas e transformei em um e-book, que está disponibilizado gratuitamente lá no perfil. Tem histórias de engenheira mecânica, engenheira civil, engenheira de minas, etc. E o formato e-book facilita a leitura e o alcance para inspirar mais meninas que queiram entrar nessas áreas.

Crea-MS – Você acaba de lançar o livro “As descobertas de Carol no Mundo da Engenharia”. Como foi o processo de criação e a que público ele é destinado? Você acredita que poderá inspirar algumas “Caróis pelo Brasil?

Engenheira Camila – A ideia de escrever meu livro veio depois da criação do projeto Elas de Botina, onde conto histórias de outras mulheres. Eu sempre gostei de escrever, já tive um blog na época da faculdade, sempre carreguei a escrita comigo, e, por contar essas histórias, uma editora me deu essa sugestão: “por que não escrever um livro com uma história que incentive meninas para buscar a engenharia e entrar nessas áreas que ainda têm poucas mulheres”. Escrevendo um dia, me veio, dessa sugestão, e também de uma fala da Ariana, do podcast Mulheres na Engenharia, a inspiração para criar uma coleção que inspirasse meninas. Então esse é apenas o primeiro livro da coleção, que será voltada para a temática de inspirar meninas na área da ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

O livro é para todas as idades, é para a família; é para o próprio pai e para a mãe incentivarem sua filha mostrando que ela pode escolher os diversos caminhos que existem no mundo, inclusive o da engenharia. O livro é justamente sobre as possibilidades que a menina pode seguir, suas opções de vida. Mostrar que ela pode construir uma casa se ela quiser, um robô, montar um carro, um avião, enfim, o mundo da engenharia é enorme e tem infinitas possibilidades.

Eu digo que o livro é para a família inteira principalmente pelas mães engenheiras. A gente é questionada durante toda nossa carreira, desde o momento de nossa escolha. Nós somos questionadas em entrevistas se temos filhos ou se temos vontade de ter. Então existe essa constante entre a carreira e a maternidade. E o livro mostra que essa conciliação é possível; mostra mulheres que conseguiram criar seus filhos, que amam seus filhos, sem deixar a carreira de lado por conta da maternidade. Além de incentivar os próprios filhos a verem a mãe com uma carreira a ser seguida.

Clique para conhecer o livro

Crea-MS – Você afirmou em um de seus textos que “uma engenheira é, antes de tudo, uma mulher que não desistiu”. Esse caminho é mesmo árduo? Você acredita que as mulheres ainda enfrentam preconceitos nessa área?

Engenheira eletricista Camila Maciel

Engenheira Camila – Em pleno 2021, em fevereiro deste ano, eu vi uma vaga de anúncio para engenheiro eletricista e um dos pré-requisitos era ser do sexo masculino. E eu, engenheira eletricista com 10 anos de experiência, de carreira, com um acervo técnico milionário, teoricamente não poderia me candidatar para uma vaga dessa só pelo fato de ser mulher. E isso é muito desanimador para nós, como profissionais da engenharia, ver que desacreditam de nossa capacidade simplesmente por sermos mulher. A gente tem que mostrar dez vezes mais nossa competência como engenheira, exatamente por anúncios como esse em pleno 2021.

Desde a escolha da nossa carreira já sabemos, que a partir daquele momento, muita gente vai continuar duvidando se somos realmente capazes de exercer nossa profissão, sendo que essa é uma dúvida que não deveria existir desde o princípio. E por isso, devido a essa pressão que sofremos; muitas meninas desistem no caminho.

Entrevista concedida à equipe de comunicação do Crea-MS