Nota de repúdio – cursos de Educação a Distância

sábado, 30 de novembro de 2019

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso do Sul (Crea-MS) vale-se do presente para se posicionar contrário à oferta de cursos na modalidade Ensino a Distância (EaD) para graduação na área das Engenharias, Agronomia e Geociências no estado de Mato Grosso do Sul, bem como externar preocupação com a expansão dos cursos híbridos, que não têm respeitado o limite de até 20% (vinte por cento) da carga horária total do curso.

Como formar profissionais nas áreas das Engenharias, Agronomia e Geociências a distância?

De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para Graduação em Engenharias, Agronomia e Geociências a formação profissional requer desenvolvimento de habilidades técnicas desde o início do processo de formação. Além da formação técnica, o futuro profissional deve vivenciar transformação e amadurecimento orientados e progressivos, estabelecendo forte relação técnico-cientifica até estar pronto para o mundo profissional. A importância do relacionamento interpessoal e técnico-cientifico implica no desenvolvimento de competências e habilidades necessárias à formação profissional, e que norteiam atividades práticas em laboratórios de diversos cenários, além de treinamento para a utilização de todos os métodos, técnicas, recursos e intervenções que envolvem as diversas áreas de atuação dos profissionais regidos pelo Sistema Confea/Crea, tão essenciais ao processo da promoção e desenvolvimento tecnológico de nossa nação. Neste contexto, a formação acadêmica, qualificada e complexa, quando se trata da área da tecnológica, necessita das atividades práticas e teóricas presenciais.

Há de se ressaltar que Engenharia ciência é a aplicação do conhecimento científico, econômico, social e prático, com o intuito de criar, desenhar, construir, manter e melhorar estruturas, máquinas, aparelhos, sistemas, materiais e processos.

É também profissão em que se adquire e se aplicam conhecimentos matemáticos e técnicos na criação, aperfeiçoamento e implementação de utilidades que realizem uma função ou objetivo. Competências estas que são obtidas em disciplinas que historicamente buscam a integração da teoria com a prática presencial supervisionada em laboratórios de ensino. É fato também, que o processo de ensino-aprendizagem discente passa, indissociavelmente, pela própria postura do docente em sala de aula, associada a atividades de pesquisa e extensão universitária, atividades estas não compatíveis com modalidade de ensino prioritariamente em EaD.

Vale salientar que o outros Conselhos Profissionais, como o de Fisioterapia (Crefito), de Arquitetura (CAU), de Medicina (CRM), de Direito (OAB), dentre outros, já se manifestaram contrários à autorização de cursos, em suas áreas formativas, ministrados totalmente na modalidade Educação a Distância (EaD), pelos prejuízos que tais cursos podem oferecer à qualidade da formação de seus profissionais, bem como pelos riscos que estes profissionais possam causar à sociedade, imediato, a médio e a longo prazo, refletindo uma formação inadequada e sem integração ensino/serviço/comunidade.

Embora o MEC não tenha o mesmo entendimento o Crea-MS enquanto órgão fiscalizador do exercício profissional, visando à segurança e à proteção da sociedade tem a obrigação de orientar e alertar a todos os cidadãos quanto aos riscos e prejuízos de frequentar a modalidade de graduação EaD para a formação em Engenharia, Agronomia e Geociências.

Desta forma, o Crea-MS se manifesta pública e expressamente contrário à oferta de curso de graduação na modalidade EaD para Engenharia, Agronomia e Geociências em Mato Grosso do Sul e em todo território nacional, posto que a modalidade a distância é incompatível com essas profissões de forma a garantir atendimento seguro e de qualidade à população de acordo com a dignidade das nossas profissões.

Comissão de Educação e Atribuição Profissional do Crea-MS