Do campo para o mercado financeiro: a trajetória do jovem que assumiu os riscos e conquistou uma grande oportunidade

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Sandro Borges Fernandes graduou-se em Agronomia pela Universidade Católica Dom Bosco, em 2010. Com o diploma nas mãos e a carteira assinada por uma grande empresa produtora de grãos, o engenheiro agrônomo seguiu para o Piauí.WhatsApp Image 2017-10-02 at 17.28.46

Depois de residir em Goiás, Brasília, Minas Gerais e até mesmo no Sudão, na África, e passar por empresas como o Grupo Pinesso, Monsanto e FMC, a vontade de voltar para Campo Grande, perto da família, falava mais alto.

A oportunidade de retornar à cidade natal surgiu há um ano e meio quando Sandro residia em Minas Gerais e trabalhava para uma multinacional da área de defensivos. “Soube que uma importante instituição financeira estava selecionando engenheiro agrônomo para atuar na área de soluções de financiamentos para atividades agrícolas e pecuárias, cargo até então inexistente no banco em Mato Grosso do Sul”, contou.

Diante da oportunidade, o jovem profissional teve de se preparar para vencer o desafio buscando conhecer mais profundamente o mercado financeiro, normativos e linhas de crédito rural, taxas, operações e também o amplo mercado do agronegócio. “Era uma oportunidade imperdível e tive de me preparar para conquistá-la. Todo o esforço me permitiu conquistar um grande diferencial na minha carreira”, acredita.

Hoje, apesar de ainda percorrer as estradas de Mato Grosso do Sul visitando clientes, Sandro, aos 29 anos, está perto da esposa e da filha de dois anos. O jovem engenheiro agrônomo é exemplo de que é possível vencer desafios e inovar, basta dedicação.

“O engenheiro agrônomo deve gostar de desafios, se adaptar a qualquer situação e ter disposição para mudanças”, disse Sandro, que antes dos 30 anos já possui uma carreira marcada por grandes e boas experiências profissionais.WhatsApp Image 2017-10-04 at 17.17.16